o artista educador

A Arte é o sensibilizante. O artista é o piloto comandante da viagem interior e descoberta, experiência que promove a educação sensível,  socializa a Cultura e aprimora a Vida em seu todo.

A tarefa de educar o homem por meio da arte sinaliza mudança à vista. E isto pode resultar na possibilidade real de fortalecermos a dignidade de ser Humano pois sabemos que, na realidade atual, os indivíduos quando muito podem alcançar será um lugar como operário em alguma empresa ou algum cargo numa instituição para desempenhar uma função pública.

Segundo Baudelaire,”… na criação, é a nossa dignidade que está em jogo”.

É tarefa do artista cultivar e promover relações entre ele e a sociedade para que esta perceba a necessidade interior de sensibilizar-se. É medida urgente pois caminhamos para a desintegração social sem precedentes na história humana. Segundo Joseph Beuys…” é tarefa nossa fazer, por todos os meios possíveis, com que as pessoas voltem a se interessar pelo “social”, a retomar o seu inato sentido de coletivismo”.

O Artista Educador

São raros os que sabem, de fato, a diferença de funções e valores entre o artista educador e o arte educador. E tudo se confunde como se fosse a mesma coisa.

Acontece que, salvo exceções, o arte educador, em geral relacionado ao professor de artes, a priori não tem o compromisso com o fazer artístico pois não cultiva a frequência de criar – produzir a obra de arte. Exclusivamente voltado para o ensino de arte, ele não tem como alcançar o domínio completo de seu processo criativo. E por se situar distante, sem muito envolvimento e familiaridade, pode-se questionar se tal processo existe!

 O artista educador, ao contrário, por atuar seguidamente no campo da criação e estar totalmente envolvido com a obra de arte, tem chances de conhecer mais e melhor o seu processo criativo, tratando-se de que estamos falando de indiscutível mistério baseado no inconsciente. Por ter relação direta e contínuo envolvimento, pensando, fazendo, produzindo, e inclusive promovendo experiências com sua arte na área da educação, pode comprovar os infindáveis caminhos que existem e que afinal, não se reduzem apenas ao fato de mostrar com se faz, todavia, de conhecer realmente, de agir, de atuar, de promover e sobretudo de Ser. Isto, eu chamo viver a Arte, ser artista.

Momento em que estou apresentando a proposta de ação artística aos meninos e meninas no Museu Oscar Niemeyer, Curitiba 2010.

Anúncios

10 respostas para o artista educador

  1. rodrigo menezes de lima disse:

    Mas ser Arte educador é bom?

    • sergiomoura disse:

      Qual o sentido de bom que vc pergunta?
      Não sei, mas de minha parte afirmo que, mais do que bom, é urgente e necessário afinal a ação de educar por meio da arte se diferencia de diversas maneiras em relação a educação convencional. A educação com arte promove a sensibilidade em 1º lugar neste mundo em que vemos crescer o embrutecimento. A atividade artística então promove a libertação pela informação sensível e é exatamente esse o papel do artista educador. Outra questão é considerar a diferença entre este e o professor de arte pois ao contrário do professor que nem sempre domina o processo criativo, o artista realiza isso com domínio total.

  2. Zane garnier disse:

    vc conhece o trabalho do arte-educador Helio Rodrigues, no RJ ?

  3. João Pedro Medeiros disse:

    Olá, Sergio Moura!

    Gostei da sua concepção ao recorrer de um tema que por vezes é confundível com outro elemento, embora ambos compartilhassem a mesma área.

    Por ora, gostaria de saber se a formação Artes Plásticas (licenciatura), permitiria especializar-se em Artista Educador. E em quais instituições o Artista pode dar aula ou ainda, saber se a formação substitui de um outro especialista (Arte Educador).

    A escola que tentarei o vestibular tradicional será na UEMG.

    Agradeço desde já a atenção!

    • sergiomoura disse:

      Poucos percebem a diferença entre O ARTISTA EDUCADOR E O ARTE EDUCADOR. Nunca escutei alguém, exceto eu comentar esse ptº de vista.
      Mas não é difícil: vamos por etapa.
      1 O Arte Educador, que não difere do Professor de arte, ensina técnicas, discorre teorias. Ele não tem compromisso com a prática criativa pois na maioria dos casos, ele não produz obra de arte, não cria, não é artista, logo, ele não tem domínio sobre seu processo criativo;
      2 O Artista Educador, exerce a prática de ensino respaldado – embasado em sua própria experiência prática pois ele produz a obra, tem envolvimento completo, dia a dia, com a criação, conhece e domina seu processo criativo. Neste caso, é mais provável que o artista possa sensibilizar com direção e rumo pois ele mesmo é exemplo do conhecimento que informa que existe e é possível fazer.

      Não são diferentes as realidades? No 1º caso, o professor; no 2º, o artista e professor.

      • João Pedro Medeiros disse:

        Obrigado por compartilhar informações.

        Talvez, na pressa de uma leitura, tenha sido “batida”. Como diz um ditado: “A pressa inimiga da perfeição”.

        Enfim, agradeço pela paciência!

  4. Luciana disse:

    Belo trabalho Sérgio Moura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s