artshow – galeria júlio moreira tuc 1978

“A Arte deve descer até as ruas, sair do zoológico cultural em que está estabelecida”. LEBEL, J.J.

Acontecimento multimídia que reuniu artistas e produtores culturais durante uma semana desenhando, pintando, serigrafando, fotografando, filmando, projetando imagens, declamando, entrevistando, cantando e dançando, produzindo interferências estéticas e mostrando seus trabalhos junto à população de transeuntes na Galeria Júlio Moreira – TUC, em Curitiba, 1978.

COLABORADORES:

Djalmir; Genésio Jr; Priscila Sanson; Aldo Dallago Jr; Reynaldo Jardim; Reginaldo Fernandes; Alberto M. Viana; Luís Carlos Rettamozo; Lucília Guimarães; Rogério Dias; Paulo Leminski; Alice Ruiz; Jarbas José S. Schünemann; Roberval Santos; Eduardo Nascimento; João Urban; Nivaldo Lopes; Antenor Penasso; Ailton Silva; Irmãos Wagner; Aparecido Marques (Cido); Roberto Pittela; Oscar Béttio; Sandra Benato; Suzana Matoski; Telma Serur; Solda; Dario Krupper; Rossana Guimarães; Marcos Bento; Geraldo Leão; Paulo Gaivota; Carlos Reis; Saulo Kozel; Caco; Marco Alzamora; Claude Urban entre outros.

PROPOSTA:

O ARTSHOW foi um acontecimento multimídia que, em plena vigência do regime militar imposto aos brasileiros, concentrou artistas durante uma semana na Galeria Júlio Moreira – TUC, em 1978, e motivou o público por meio da criação estética coletiva. Criado e coordenado por Sergio Moura, o projeto teve o apoio da Fundação Cultural de Curitiba, da Rodofer, da Editora Grupo UM, do Jornal Correio de Notícias e do Anexo Pólo Cultural.

A idéia era promover a relação de troca com o público em trânsito, provocando o diálogo imediato com os artistas à expectativa de que, soltando nosso grito de resistência no fluxo dos acontecimentos, pudéssemos sinalizar uma mensagem de esperança ao povo.

Segundo Nicolas Bourriaud, a partir da teoria da “estética relacional” é possível pensar a Arte como um estado de encontro, um fenômeno que só acontece em um espaço – tempo compartilhado entre atores e espectadores, condicionado por mecanismo de autopoiesis: arte como um processo que gera acontecimentos e não obras acabadas, que só acontecem em relação.

A autopoiesis é um conceito desenvolvido pelos biólogos chilenos Humberto Maturana y Francisco Varela (1999) para designar a organização dos sistemas orgânicos, que foi posteriormente aplicado a várias outras áreas do conhecimento. Segundo os autores, o que define os sistemas vivos é sua organização autopoiética, que supõe a capacidade de auto produção e auto organização, em processos de contínua interação com o meio.

Com planejada dinâmica de trabalho baseada na colaboração, e fazendo intenso uso de processos criativos, o ARTSHOW reuniu artistas e produtores culturais produzindo interferências estéticas, provocando o envolvimento e a participação ativa dos transeuntes.

Artshow 30 anos.

Em 2008, o Programa Hora da Prosa, promovido pela Fundação Cultural de Curitiba, reúne artistas e público no TUC, e promove reflexão com a presença do ilustre Reynaldo Jardim que esteve atuante no Artshow em 1978.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s